sexta-feira, 10 de junho de 2011

Trabalho de português

Possível resposta de Brutus ao pronunciamento de Marco Antônio

Caros cidadãos, permitam-se ouvir o que digo em minha defesa, o que também falo para trazer calma à nossa nação.
Este César Augusto, a quem acompanhei e fui promovido em minha carreira política, foi responsável por ordenar o avanço das tropas que aumentaram o território da nossa República, as quais fiz com que avançassem com sucesso, culminando na conquista da Gália, numa luta que durou 6 anos.
Vocês sabem bem como mostrei competência diante de Júlio César, de quem tive honra de acompanhar os passos. Estava presente no momento em que foi executado o assassinato de nosso líder, ação comandada por Marco Bruto, que antes apoiou o derrotado Pompeu, passando posteriormente para o lado do nosso governante.
Cri, juntamente com o espírito de vários integrantes da sociedade romana, que a execução de César Augusto, evitaria que se levantasse sobre nosso povo uma dinastia monárquica, que embora que por seu caráter desse garantia de que em si não houvesse intenções dessa natureza, julgo que da parte de algum dos vários de seus herdeiros.
Somos um Império, ao mesmo tempo que uma República, espírito que nós prezamos.
Não se utilizaria da imagem de qualquer pessoa para reduzir, por meio de palavras eloquentes, a realidade que tem consequências minhas ações.
Embora, tenha estado no momento da sua execução, não quis substituir seu governo por uma anarquia, ou por um reino em que estivesse entre os líderes absolutos.
Posso, de consciência limpa, afirmar, que não tive a intenção de dar fim à nossa República por meio desse ato.

Trabalho de português

Possível resposta de Brutus ao pronunciamento de Marco Antônio

Caros cidadãos, permitam-se ouvir o que digo em minha defesa, o que também falo para trazer calma à nossa nação.
Este César Augusto, a quem acompanhei e fui promovido em minha carreira política, foi responsável por ordenar o avanço das tropas que aumentaram o território da nossa República, as quais fiz com que avançassem com sucesso, culminando na conquista da Gália, numa luta que durou 6 anos.
Vocês sabem bem como mostrei competência diante de Júlio César, de quem tive honra de acompanhar os passos. Estava presente no momento em que foi executado o assassinato de nosso líder, ação comandada por Marco Bruto, que antes apoiou o derrotado Pompeu, passando posteriormente para o lado do nosso governante.
Cri, juntamente com o espírito de vários integrantes da sociedade romana, que a execução de César Augusto, evitaria que se levantasse sobre nosso povo uma dinastia monárquica, que embora que por seu caráter desse garantia de que em si não houvesse intenções dessa natureza, julgo que da parte de algum dos vários de seus herdeiros.
Somos um Império, ao mesmo tempo que uma República, espírito que nós prezamos.
Não se utilizaria da imagem de qualquer pessoa para reduzir, por meio de palavras eloquentes, a realidade que tem consequências minhas ações.
Embora, tenha estado no momento da sua execução, não quis substituir seu governo por uma anarquia, ou por um reino em que estivesse entre os líderes absolutos.
Posso, de consciência limpa, afirmar, que não tive a intenção de dar fim à nossa República por meio desse ato.

segunda-feira, 28 de março de 2011

MEGAPHONE ADV: Deixe seu recado após o sinal

MEGAPHONE ADV: Deixe seu recado após o sinal: "Estamos vivendo na era das secretárias eletrônicas, em que as pessoas, não querendo ser perturbadas por chamadas telefônicas in..."

domingo, 16 de maio de 2010


Pronto a Votar
Muita gente prefere justificar seu voto, em vez de exercer sua cidadania; porém eu faço a maior questão de votar facultativo, principalmente porque se trata de um total direito, não de um dever.
O brasileiro sente seu direito não mais como a completa liberdade política, como devia sê-lo, mas sente-se como quisessem-no prender ao voto por interesses egoístas, - o que realmente acontece - querendo fazer envolver-se na política somente para que vote nele (o político) e torne-se obrigado a fazer algo. Daí o brasileiro faz a ligação com a obrigatoriedade que tinha de aceitar a autoridade eleita por meio não democráticos - o que é um exemplo, mas não pensado inteligentemente, pois equipara, iguala nossa democracia em vivo desenvolvimento a um regime autoritário.
Pense seriamente neste ano na eleição que haverá. Nada mais... nada menos... que O FUTURO DO PAÍS está em jogo.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Oi! Fiz hoje este blog!
Usei como título "Pronto ao Serviço", este será meu lema; pois até o próprio Jesus disse:
"Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos." Marcos 10:45
Vi, então, que tenho ao menos o dever de servir meu próximo com o melhor que tenho, missão muito mais fácil do que a de Cristo, que morreu em nosso lugar.